Danças Circulares – A sagrada roda que transforma

Danças Circulares A roda que transforma>> A sagrada  roda que transforma.

“Ciranda, cirandinha, vamos todos cirandar…” Se você brincou de roda na infância, volte no tempo. Procure lembrar-se. A roda girando, ora lenta, ora rapidamente. A sensação de leveza. O aconchego das mãos dadas. O sentimento reconfortante de ser aceito. Os pés, muitas vezes descalços, ganhando asas ou rodinhas deslizantes. A meninada sorridente,  feliz da vida…

E se eu lhe disser que toda essa alegria e espontaneidade podem  ser resgatadas mesmo que você pense já ter passado da idade ou não ter jeito pra esse tipo de coisa? É sim. Experimente entrar em uma roda de Danças Circulares Sagradas (DCS) e depois me conte. E isso serve pra você também que, por algum motivo, nunca teve a oportunidade de brincar de roda. Sinta a energia de dançar de mãos dadas em círculo e descubra uma nova fonte de prazer, lazer, saúde, transcendência.

Danças Circulares
Danças Circulares, alegria, leveza, conexão

Não é difícil encontrar uma roda de Danças Circulares Sagradas. Hoje elas crescem em progressão geométrica por todo o Brasil, pelos parques, escolas, empresas, centros multidisciplinares e até mesmo unidades de saúde. Desde março de 2017, por meio da Portaria 849, o Ministério da Saúde incluiu  a Dança Circular na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares, reconhecendo seus efeitos terapêuticos e passando a oferecê-la pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

O que são

Mas o que são as Danças Circulares, e por que sagradas? Bem, agora vamos fazer uma viagem mais longa no tempo, retrocedendo à Pré-História. O homem das cavernas dançava para celebrar o plantio e colheita, reverenciar a vida e a morte. E deixou isso registrado em pinturas rupestres em grutas e galerias subterrâneas. No Antigo Egito, a dança era um ritual sagrado dedicado aos deuses. Na Grécia, acreditava-se no poder mágico da dança. Ela, inclusive, preparava os guerreiros para as batalhas.

A dança, enfim, está presente na vida de todos os povos desde de suas origens. Nossos indígenas ainda preservam o costume de dançar em grupo.  Porém, são   poucas as culturas que, como a deles, mantêm a tradição. Através dos séculos ela foi ficando cada vez mais restrita a pequenas comunidades isoladas pelos cantos do mundo. Foi assim até que, na década de 70 (século XX) um famoso bailarino e coreógrafo polonês, Berhard Wosien redescobriu o poder de se dançar em círculo, de mãos dadas, como era comum às civilizações ancestrais.

O resgate de Berhard Wosien

Em busca de um significado maior para sua arte, Bernarh Wosien percorreu vários países, pesquisando as danças tradicionais, folclóricas ou sagradas. Ele então constatou que, nas localidades em que elas ainda eram parte da vida comunitária,  onde  jovens, adultos e idosos dançavam juntos, o ato continha a  essência espiritual que  buscava. Wosien percebeu que o círculo, as mãos dadas, os movimentos muitas vezes repetitivos, comuns nas danças dos povos, nos conectam ao sagrado, levando o dançarino a um estado meditativo. Por isso são consideradas uma prática de meditação em movimento.

 

Danças Circulares A roda que transforma
Danças Circulares, meditação em movimento

“ Nas formas mais antigas das danças circulares
encontrei o caminho para a meditação da dança,
como um caminhar para o silêncio. Esta meditação
tornou-se para mim e meus alunos uma oração sem palavras”.
Bernhard Wosien

Danças Circulares Rodando o mundo

A partir de suas pesquisas, o bailarino iniciou um estudo profundo, colecionando essas danças populares e aplicando sua essência em coreografias que passou a criar para músicas clássicas ou contemporâneas.  Em 1976, ele apresenta seu trabalho  em Findhorn (Escócia), comunidade espiritualista, mundialmente pioneira em agroecologia.  Em Findhorn, a semente plantada por Berhard Wosien germinou, cresceu e se multiplicou. A comunidade tornou-se o centro de difusão internacional das Danças Circulares Sagradas, com os brotos que ali frutificaram se espalhando por todos os continentes, rodando o mundo.

No Brasil, elas chegaram com força em 1995,  a partir da visita de Anna Barton, então diretora do Departamento de Danças Circulares Sagradas na comunidade escocesa. Mesmo que antes já fossem ensinadas por  focalizadores brasileiros que mantinham uma conexão com Findhorn, o contato mais próximo com Anna Barton fertilizou as sementes da DCS no País, onde encontraram solo fértil.

Nossa cultura guarda um grande baú de danças de roda tradicionais: ciranda, quadrilha, catira, carimbó, pau-de-fita, umbigada, samba de roda, chula, danças indígenas e por aí vai. Uma riquíssima coleção redescoberta pelas Danças Circulares Sagradas que aqui, em terras tupiniquins, tiveram uma expansão extraordinária.

Atualmente, o já vasto repertório das Danças Circulares Sagradas, composto por canções tradicionais, sejam brasileiras, gregas, israelitas, ciganas, celtas, ou outros povos, é enriquecido por coreografias criadas para músicas contemporâneas de diversos estilos. O acervo inclui desde danças bem tranquilas, meditativas, até as mais agitadas, como as czardas húngaras.

Dance e recrie o mundo

Danças Circulares
Danças Circulares, ritual sagrado

“Dance e recrie o mundo”, dizia a querida mestra Lucy Coelho Penna, psicoterapeuta junguiana e pesquisadora do Sagrado Feminino, em seu livro dedicado à dança do ventre. E Santo Agostinho também já recomendava:

“Eu louvo a dança,
pois liberta o ser humano do peso das coisas –
Une o solitário à comunidade.

Eu louvo a dança,
que tudo pede e tudo promove:
Saúde, mente clara e uma alma alada.

……………………………………

Eu louvo a dança.
Ser humano, aprenda a dançar!
Senão os anjos no céu não saberão
o que fazer de você”.

Aurelius Augustinus (354-430)

Dançar, seja em qualquer ritmo, em qualquer circunstância, sem dúvida, faz um bem enorme para o corpo e para a alma. Melhora o condicionamento físico, o equilíbrio, a postura,  a autoestima, desenvolve a flexibilidade e a lateralidade, ajuda a combater o estresse, a depressão, entre outros. E se dançar é bom, em um círculo pode ser ainda melhor.

Na roda somos todos iguais. A performance individual é o que menos importa. Como é bela uma a roda de Dança Circular vista do alto! Em torno de um centro, como os planetas em torno do  Sol, os dançantes giram. Quase sempre conectados pelas mãos, executam movimentos sincronizados, criando formas da Geometria Sagrada.

A roda promove a harmonia do grupo, integra, leva ao reconhecimento, aceitação. Olhos nos olhos, abrindo um canal de comunicação entre as almas. O toque delicado das mãos transmintindo a força e energia circulantes. A cada movimento, um exercício de alteridade,  paciência. Meu passo só é perfeito em harmonia com o do outro.  Executada em todas as rodas pelo mundo a dança  grega Enas Mythos tem um simbolismo que traduz perfeitamente a amorosidade e o respeito à diversidade   que fluem no círculo.

“Eu te reconheço
Eu te dou passagem
Eu sigo meu caminho”.

Nessa perspectiva, a dança é capaz de canalizar energias de cura tanto individualmente, quanto para o grupo, a comunidade em que está inserida ou o planeta. É um instrumento de paz, desenvolvendo o apoio mútuo, a integração, a cooperação, a comunhão. Impossível praticar regularmente das Danças Circulares Sagradas sem experimentar uma profunda transformação em seu universo particular. “Dance e recrie o mundo”!




Deixe seu like e siga nossa Rede Social:
0

Andiara Maria

Canceriana, com Ascendente Áries, Lua em Libra, Nodo Sul em Gêmeos, Sol aspectado por Marte e Urano. A inquietude em pessoa. Não praticasse regularmente a Meditação Transcendental-Sidhis há mais de 30 anos, já estaria em outra dimensão. Jornalista, pós-graduada em Jornalismo Literário, acumulando 38 anos de experiência em emissoras de TV, impressos, assessorias de imprensa, produtoras de vídeo, rádio agências de publicidade. Buscadora constante, cursei também uma especialização em Psicologia Analítica, passeei pela Astrologia, Florais, Xamanismo, Benzições... A dança sempre esteve presente em minha vida. Desde a primeira infância rodopiava e sonhava com sapatilhas e frufrus. Vibrei com o clássico, jazz, dança do ventre, dança cigana, morri de paixão pelo Flamenco. Mas o encontro com as Danças Circulares Sagradas foi definitivo. Logo desejei e me tornei focalizadora. Assim como a MT-Sidhis, a roda me faz sentir inteira, alimenta meu ser, me leva ao encontro do Absoluto. Para entrar em contato com Andiara: andiaramaria@hotmail.com

14 comentários em “Danças Circulares – A sagrada roda que transforma

  • agosto 19, 2018 em 11:14 am
    Permalink

    Parabéns pelo texto! Será um grande local para acompanhar a expansão deste movimento. Excelente!

    Resposta
    • agosto 25, 2018 em 4:36 pm
      Permalink

      Vindo de uma focalizadora, me deixa muito feliz.

      Resposta
  • agosto 19, 2018 em 11:15 am
    Permalink

    amei😍 ficou incrível…👏👏👏❤⛤

    Resposta
    • agosto 25, 2018 em 4:35 pm
      Permalink

      Que bom que gostou. Ter você em uma roda faz toda a diferença. Bj

      Resposta
  • agosto 19, 2018 em 3:22 pm
    Permalink

    Que lindo texto. Senti toda leveza das danças circulares. Me vi dançando.

    Resposta
    • agosto 25, 2018 em 4:33 pm
      Permalink

      Que bom, Eliane. Entre na roda!

      Resposta
  • agosto 20, 2018 em 12:36 am
    Permalink

    Excelente texto em palavras claras onde as informações fluem suavemente.
    A constatação do benefício das Danças Circulares advém da conjugação energética das pessoas unidas pelas mãos reforçando a rede natural na qual estamos inseridos. Uma verdade que muitos ignoram.
    Enalteço o trabalho de Andiara Maria desejando um continuidade luminosa.

    Resposta
  • agosto 20, 2018 em 1:00 am
    Permalink

    Texto tão lindo que coloca em palavras de forma “dançante”esta experiência rica que é a Dança Circular…
    Também eu louvo a dança.
    Vamos dançar…

    Resposta
  • agosto 25, 2018 em 4:33 pm
    Permalink

    Que bom, Eliane. Entre na roda!

    Resposta
  • agosto 27, 2018 em 6:45 pm
    Permalink

    Muito grata, Marisa. Quando vem dançar com a gente?

    Resposta
  • agosto 20, 2020 em 2:00 pm
    Permalink

    Que legal encontrar uma canceriana com ascendente em Áries como eu. Combinação extravagante, né? Adorei seu texto. Conhece uma dança que se chama Menoussis (não tenho certeza se é assim que se escreve) , faz muito tempo que não danço essa circular, gosto muito dela, tem muita força. Abraços

    Resposta
    • agosto 21, 2020 em 7:38 pm
      Permalink

      OI, Joice, põe extravagante nisso….. Conheço Menousis sim. É uma dança grega. A coreografia nos leva a fazer um reflexão sobre nossa caminhada. Que bom que gostou do texto. De onde você é? Quem sabe um dia possamos estar juntas em uma roda. Um beijo.

      Resposta
  • abril 25, 2022 em 6:48 pm
    Permalink

    Amei a forma doce e suave da explicação sobre as danças circulares sagradas.
    Sou de Guaratinguetá SP ( Vale do Paraíba).
    Onde vocês estão localizados?
    Gratidão imensa!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *