Bahaudin e o Caminhante – Conto Sufi

Bahaudin e o Caminhante – Conto Sufi>> Bahaudin el – Shah, grande mestre dos dervixes Naqshbandi, encontrou um dia um companheiro na grande praça de Bujara.
Ficou muito feliz com o reencontro. O recém chegado era um Kalendar (dervixe errante).
Dervixe errante dos Malamati, os “Censuráveis “,
Bahaudin se encontrava rodeado por seus discípulos habituais.

Ele pergunta ao recém chegado
De onde vem? -, e manteve seu sorriso e expressão sufi habituais
O dervixe errrante diz: Não tenho idéia – e disse isso rindo estupidamente.

Bahaudin e o Caminhante – Seus discípulos

Alguns dos discípulos de Bahaudin ficaram enfurecidos e murmuraram sua desaprovação por essa falta de respeito.
Aonde vai?, prosseguiu Bahaudin.
Não sei !!! – gritou o dervixe.
O que é o bem?

Bahaudin e o Caminhante – Seus discípulos

Nesse momento então, já havia se formado uma grande multidãoe o dervixe errante responde:
Não sei.
Bahaudin pergunta: O que é o mal?
O dervixe responde: Não tenho nem ideia
Bahaudin segue: Que é o correto?
O dervixe responde com uma pergunta: Tudo o que é bom para mim?
Segue Bahaudin: O que é equivocado?
Responde tranquilamente o dervixe:Tudo o que é mal para mim.

Bahaudin e o Caminhante – Seus discípulos

Entretanto, as pessoas já estavam com sua paciência esgotada, e irritadas com esse dervixe, o expulsam veementemente do local.
O dervixe errante foi caminhando decididamente a grandes passos numa direção que não levava a lugar nenhum, e isso, por uma grande distância.

Bahaudin e o Caminhante – Sua lição

“Idiotas! disse Bahaudin Naqshband já enfurecido
Não enxergam: este homem estava representando o papel da humanidade.
No entanto, vocês o depreciaram, enquanto que ele, estava mostrando deliberadamente a falta de atenção que todos vocês demonstram de forma inconsciente, em todos os dias de suas vidas e por todas as suas vidas.

crédito de imagem: cedida pela Ordem Al-Yerrahi da Argentina



Deixe seu like e siga nossa Rede Social:
0

Claudia Araujo

Aquário com Gêmeos, sou muitas e uma só. Por amar criar com as mãos, sou designer de biojóias e mantenho o site terrabrasillis.com, assim como pinto aquarelas e outras ¨manualidades¨. Por não me entender sem a busca do mundo interno do outro, sou astróloga com 4 anos e meio de formação em psicologia analítica sob a supervisão de José Raimundo Gomes no CBPJ – ISER e já mantive por anos o site Meio do Céu. Nessa nova etapa mantenho o site grupomeiodoceu.com. Dou consultas astrológicas e promovo grupos de estudo de Jung e Astrologia, presenciais e online. São várias vidas vividas numa única existência, mas minha verdadeira história começa aos 36 anos, e o que vivi antes ou minha formação acadêmica anterior, já nem lembro, foi de outra Claudia que se encerrou em 1988. Só sei que uso cotidianamente aquilo em que me tornei, e busco sempre não passar de raspão pelo mapa astrológico do outro. Mergulhar é preciso, e ajudar o outro a se transformar, algo imprescindível. Só o verdadeiro autoconhecimento pode gerar transformação. Não existe mágica, e essa autotransformação não ocorre via profissional, mas apenas através do real interesse do cliente em buscar reconhecer como se manifesta em sua vida cotidiana e qual seu potencial para a transformação. Todos somos mais do que aquilo que vivenciamos. A busca deve passar sempre pelo reconhecimento daquele eu desconhecido que em nós mesmos habita. A Astrologia é um facilitador nessa busca porque nela estão contidos tanto nossos aspectos luz quanto sombra. Ela resolve nossos problemas? A resposta é não. Ela apenas orienta no sentido do reconhecimento de nossa totalidade. A busca é do cliente. A leitura é do astrólogo, mas só o cliente poderá encontrar o caminho de sua totalidade e crescimento responsável. websites : www.terrabrasillis.com e www.grupomeiodoceu.com Fale com Claudia direto no Whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *