DO BOTÃO À ESSÊNCIA, DAR-SE À LUZ

DO BOTÃO À ESSÊNCIA, DAR-SE À LUZ>>

Acordar com alegria no coração.
Despertar para a vital força da união.
Rodar da fortuna o ciclo, contínua transformação.
Coragem no círculo dos reinícios.
Confiança nos inícios.

Seguir deixando-se cortar para voltar inteira a cada translação nessa esfera onde a primavera insiste em desabrochar, mesmo que desacreditada, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, reconheça sua essência, sinta o seu perfume nem, possua jardim para recebê-la.

Ah! É no calendário do coração dos poetas, esses profetas do Belo (E)terno que ela é pressentida Deusa, Musa que chega coroada, com vestidos bordados de pétalas, com os braços carregados de flores, para dançar neste mundo cálido, de incessante luz, varanda da Ilusão.

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançada ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade.

DO BOTÃO À ESSÊNCIA, DAR-SE À LUZ AH! BEM, TE QUERO

Primaverando
Despetala-te do mal que te fizeram
Rega-te do bem que te querem
Primaverindo
Entre mur(r)os
Por princípios e aliança – fé e esperança.
Sonhar o porvir e fazer existir.
Em si mesmo, por si mesmo, consigo,
Conseguir.

O ser humano vive a ânsia da vida.

Se em um momento sonha viver ansiosamente no presente como se fosse perdê-lo, em outros momentos é escravo do desejo do futuro e esquece que não tem como garantir o amanhã, e nada (de)tem a não ser fazer o hoje para plasmá-lo.

DO BOTÃO À ESSÊNCIA, DAR-SE À LUZ – VIVER É UMA EXPERIÊNCIA FATAL

Curar-se da vida que nos fataliza é experienciar a morte.

Morte de padrões obsoletos, ações reprimidas, sentimentos recalcados, pensamentos calados.

(In)fluir com ciência e arte é dar voz consciente ao espírito dotado de razão, para que na dinâmica e cotidiana busca de equilíbrio de aflições, angústias, dúvidas em provações, possa dispor de uma vitalidade mais sã, no combate a existência malsã – pensar, sentir e agir desvinculado do caminho do coração.

VIVER É DE AGORAS. A vida não espera enquanto a morte nos aguarda. Viver não se guarda, mas quanta vida está guardada no por vir!

Do casulo ao voo livre, inexoravelmente caminhamos para o fim.

Alcançá-lo com finalidade é alçá-lo. O futuro do presente em laço. (Des)enlaças?

DO BOTÃO À ESSÊNCIA – PRIMAVERA É PARTURIÇÃO

Vencido do estio, o luto
Metamorfose
Da raiz ao pólen
Com sentimento
Vir a ser, caule, flor e fruto,
Cio da Terra, gestação do Futuro.

Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.
Saudemos a Primavera, poema da natureza de nossa terrena condição.
Da Alma, O Amor está na Matriz.

FLORESCE-TE!

Denise Espiúca Monteiro, médica, professora, poetisa e mãe, na matéria por oficina do Espírito, à serviço da racionalidade homeopática é Jardineira e Partejadora de Amanhãs.

crédito de imagem pixabay.com




Deixe seu like e siga nossa Rede Social:
0

Denise Espiuca

Denise Espiúca Monteiro Médica Homeopata, Mestre em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social/UERJ. Diretora do Ambulatório Escola do IHB, A Casa da Homeopatia Brasileira. Escritora, ocupa a cadeira 25 da ABRAMES, Academia Brasileira de Médicos Escritores. Email: despiuca@dh.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *