Meu parto e minhas observações II

Meu parto e minhas observações II>> chamei o Ferg enquanto levantava a barra do vestido (o da minha mãe, que pedi emprestado pra usar na gravidez.

Era ele o que havia escolhido usar na Casa de Parto), ele precisava ver as minhas pernas molhadas…

Então me perguntou “O que é isso?”.   Igualmente lhe joguei outra pergunta  “Adivinha?”

… Ele ainda argumentou que poderia ser … hum… (como falar sem ferir as mais sensíveis?) porra, e eu disse “Esse tanto?!!!!

Todavia, lhe disse: É o Caio meu bem, a bolsa estourou”.

Impossível descrever em ordem cronológica o que aconteceu a seguir: nos abraçamos, dei mais um passo e nova cachoeira escorreu….

Nesse ínterim, ele correu pra buscar um pano e eu comecei a rir.

O telefone estava na mesa ao meu lado e eu liguei pra minha mãe.

Meu parto e minhas observações II – telefonando para minha mãe

Meu pai atendeu no segundo toque e eu pedi pra falar com a mamãe…

Com efeito, nem boa noite pra ele dei… nem pensei na hora pq atenderam tão rápido…

Entretanto, eu ainda não sabia que eles também estavam acordados, como também estavam as minhas irmãs, pensando em como eu estaria, e o que estava acontecendo….

Prontamente falei com a mamãe que a bolsa tinha estourado e ela falou pra eu parar de rir tanto, q ria porque estava nervosa.

Falou pra ficar calma, que o bebe ainda iria demorar pra nascer e que nos encontraríamos na casa de parto.

Meu parto e minhas observações II – separando as roupinhas

Subi para o quarto com o Ferg, e fomos separar as roupinhas que levaríamos.

Assim, escolhemos, dobramos, colocamos na bolsa… o tempo todo eu me sentia segura, abraçada… envolvida e protegida pela presença do pai do meu filho, a quem tanto amo…

Quando tudo estava pronto, nos deitamos bem abraçados, curtindo um pouquinho essa emoção que é única.

Mas não podíamos nos demorar muito… senti a primeira contração, bem levezinha…

nos levantamos para ir para o hospital, ainda faríamos uma pequena viagem até Sabará, para buscar a mãe do Fergusonn que também assistiria ao parto…

Meu parto e minhas observações II – falando comas amigas do grupo

Calma, calma!

Não se vá, deixa eu te abençoar!!!

Que corra tudo bem, viu querida, que dê tudo certinho, do jeito que você imaginou.

Acredite em você acima de tudo, não esqueça de respirar bem fundo na hora das contrações (espero que Jussara me ouça tb ahhahaha)!

Que sua experiência seja magnífica!! Vê se aguarda as contrações e não vá para o hospital cedo demais! :)))
Bjkas, Ingrid

Casada com Bruce e mãe do João Victor de 1a e 4m
Doula e Analista Web
Rio de Janeiro
(21) 2453-4368
(21) 9321-2989
Blogs:
http://www.partohumanizado.blogger.com.br
http://www.mulheresdepeito.blogger.com.br
http://www.desnecesareas.blogger.com.br
************************************
Sites:
http://www.casasdeparto.com.br

Meu parto e minhas observações II – a chegada ao hospital

Chegamos no Hospital Sofya Feldman as 4:00hs da manhã, meus pais já nos aguardavam.

Depois de passar pelo médico no pré-parto, que constatou 4 cm de dilatação, e ele verificar que meus exames estavam em ordem, fui para a suíte da Casa de Parto.

Ainda ouvi do médico: “você quer ir ganhar o neném na casa de parto? Lá não tem anestesia…” Eu sorri e falei pra ele que queria muuito!

E exatamente por isso…

Fomos para o quarto que tem uma banheira, e ficamos nos ‘ambientando’ ao local.

O lugar é muito simpático, cada quarto tem uma pequena varanda com jardim, as azaléias estavam floridas e eu me sentia tranqüila e pronta para ter o meu bebê.

Havia uma barra para auxiliar a posição de cócoras e uma bola suíça amarela…

eu caminhei, sentei e cochilei (sim! Consegui dormir quase 1h enqto as contrações ainda n estavam muito fortes)…

Quem me acompanharia seria a enfermeira Mirian, uma fada que me deixou ainda mais tranquila e com quem me senti a vontade desde o primeiro instante…

ela entendia como eu me sentia, e desde o começo acreditou em mim e me trouxe confiança.

Crédito de imagem destacada Amanda Greaveti pinterest

Continua na próxima




Deixe seu like e siga nossa Rede Social:
0

Clotilde Nunes

Sou Doula há 14 anos, quase psicóloga. Mãe do Caio e do Enzo, esposa do Falkner e Sacerdotisa Wiccaniana. Minha vida se entremeia nesses papéis e danço no ritmo do Universo, sendo grata pelas bênçãos que recebo e aprendendo com as pequenas e grandes lições do dia a dia. Email: allysmadron@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *