Graus Simbólicos – Janduz – Os 30 graus de Escorpião

Graus Simbólicos – Janduz – Os 30 graus de Escorpião

tradução literal de Raul V. Martinez (1988)

Ofertada ao site Meio do Céu – Claudia Araujo para auxiliar os leitores no estudo astrológico

Janduz – Les 360 Degres Du Zodiaque Symbolises Par L’image editions Niclaus, Paris 1939
K. Hitschler – Pouvoirs Secrets des Mots et des Symboles editions de la BaconniŠre, Neuchatel (Suisse) 1968 –

Graus Simbólicos – Janduz – Os 30 graus de Escorpião
Graus Simbólicos – Janduz – Os 30 graus de Escorpião

 

SC 01. Em uma sala decorada à oriental, um formidável guerreiro defende um cofre arrombado, cheio de riquezas, ao pé do qual jaz caído um homem ferido.

ou – Um homem tendo um dardo na mão

SC 02. O Sol se levanta, iluminando um promontório no qual caminha um homem imponente, montado em um elefante ricamente paramentado.

ou – Um homem montado em um elefante.

SC 03. Um homem de uma certa idade, sentado à beira de um canal, reflete, vendo uma usina cujas altas chaminés avermelham dentro da noite que cai.

ou – Um homem em pé, imóvel.

SC 04. Uma harpa na qual esta’ dependurada uma coroa de louros; e junto de outros instrumentos de musica, uma paleta e mascaras.

ou – Uma lira.

SC 05. Um campo de espigas maduras quebradas por um vento de tempestade; um prado igualmente varrido pela tempestade e cujas árvores se inclinam, enquanto um gnomo sem pernas, de ar radiante, agita um machado, como que para se associar aos malefícios do temporal.

ou – Um homem sem pernas

SC 06. De um lado um jardim bem distribuído, bem cultivado, florido; de outro, um jardim abandonado, com sulcos de erosão, cuja cerca esta arrancada e no qual um asno com bridão, mas em liberdade, escoiceia, fazendo voar a terra e os cascalhos.

ou – Um asno com bridão.

SC 07. Em um pequeno campo, onde revolve a terra, um homem esta’ em pé’, com o pé’ sobre a pá’ de cavar, fazendo brilhar ao Sol uma jóia que acaba de descobrir. No medalhão o vemos bem trajado, tendo uma bolsa e uma taça; tal como ele se vê sonhando acordado.

ou – Um homem segurando com uma mão uma bolsa, e com a outra uma taça de ouro.

SC 08. Um belo galo, batendo docemente as asas, no meio de um campo onde ciscam algumas galinhas. Um pouco adiante, um arqueiro atira flechas sobre uma revoada de pássaros já distantes no horizonte.

ou – Um grande galo batendo asas.

SC 09. Uma criança de uns dez anos de idade, pobremente vestida, sentada em um tronco de árvore, olha tristemente um ninho tombado de uma árvore e, imóveis no solo, duas ou três avezinhas pouco plumadas. Uma espécie de aureola envolve a cabeça da criança compadecida.

ou – Uma criança sentada em um monte de pedras.

SC 10. Em um camarote, um ator lança um ultimo olhar sobre seu traje de Mefistofeles; se vê, penduradas, muitas fantasias e, sobre a mesa, muitas mascaras.

ou – Uma cabeça de homem fazendo careta.

SC 11. Sob os raios de uma bela estrela, um homem observa se contorcer um Escorpião que ele mantém pela cauda. Ao mesmo tempo, a direita, uma lebre sentada em uma elevação acima de sua toca, com o nariz levantado em direção a estrela, não vê um fuzil apontado contra ela.

ou – Um homem segurando um Escorpião pela cauda.

SC 12. Um enxame de grandes moscas malsas rodopiam em torno de uma serpente que, erguida sobre sua cauda, sibila e cospe em vão seu veneno sobre essas inimigas dispersas, na frente de sua casa isolada.

ou – Um enxame de moscas atacando uma serpente.

SC 13. Uma grande torre solida, só’, sobre um rochedo que domina o mar.

ou – Uma torre.

SC 14. Um belo jardim com um poço tendo o arco florido de rosas, de onde a água transborda e escoa inutilmente; sob uma pérgola, igualmente florida, está reunido um grupo alegre, onde o dono da casa, em pé, taça na mão, brinda à saúde.

ou – Um poço cuja água transborda.

SC 15. Um urso está adormecido sob uma árvore, cercado por um enxame de abelhas que zumbem ao redor de sua cabeça.

ou – Uma bela mulher em pé, imóvel.

SC 16. À beira do mar, uma carcaça encalhada na costa acaba de ser esvaziada pelas aves de rapina; um lobo se afasta com pesar, expulso pelas bicadas.

ou – Uma mulher dando esmola a um pobre.

SC 17. Um homem vestido de bobo da corte dá esmola a um mendigo, na frente de sua morada, enquanto um bloco talhado em facetas, colocado sobre um pilar baixo, emana raios de luz em três direções (luz vermelho-alaranjada).

ou – Um lobo correndo em um campo.

SC 18. Um homem, um punhal na mão, escondido atrás de uma porta, espreita uma mulher que encanta serpentes.

ou – Uma mulher semi-escondida atrás de uma porta.

SC 19. Um homem robusto, de procedimento firme e combativo, tem amarrado um cão corpulento, a goela aberta, porem comportado. Ele se apoia em uma mesa na qual estão colocados, ao lado dele, um estilete e um chicote, mas também uma profusão de iguarias importantes. Amigos e inimigos o observam.

ou – Um cão com a goela escancarada e grandes orelhas.

SC 20. O Sol se levanta sobre o oceano docemente agitado, e na beira da praia, um homem sentado sobre um camelo olha a volta do horizonte, seu rosto iluminado pelo sol nascente.

ou – Um homem sentado sobre um camelo.

SC 21. Um touro colocado sobre uma elevação bate furiosamente a terra mugindo, e na planície se vê um cavalo sem freio, correndo através dos campos.

ou – Um cavalo sem freios correndo através dos campos.

SC 22. Uma torrente salta de rocha em rocha, como sobre uma escada estreita e desaparece embaixo nas areias.

ou – Uma torrente que salta de rocha em rocha.

SC 23. Um camponês semeia contra o vento e, sob uma árvore, uma nascente se dispersa em cinco ou seis filetes de água que não servem para nada.

ou – Pequenos regatos que escapam de uma mesma fonte.

SC 24. Um lenhador corta lenha próximo de uma cabana feita de troncos de árvores bem esquadrinhados; na frente da porta, a mulher gira seu fuso.

ou – Uma mulher tendo na mão direita um fuso.

SC 25. Um homem nada em um mar revolto.

ou – Um lobo levando um pato em sua goela.

SC 26. Uma saliência rochosa na qual está esculpida uma cruz iluminada pelo sol nascente, assim como um pequeno oratório bem próximo.

ou – Um homem carregando um alforje cheio, e correndo.

SC 27. Sob uma tenda, um homem fino, usando a toga e o chapéu quadrado, próximo de uma mesa sobre a qual se encontram um livro e uma espada, discursa para uma multidão heterogênea.

ou – Dois homens em pé e conversando.

SC 28. Em um pátio da fazenda, as aves domesticas apavoradas se dispersam diante de um lobo que foge levando um pato em sua goela, enquanto que mais longe, um outro lobo em pé’ uiva sobre o cadáver de um cavalo.

ou – Um templo.

SC 29. Uma mulher em traje de cerimonia, ergue diante dela um cetro no qual se enrola uma serpente com cabeça de dragão.

ou – Um homem sentado, segurando um livro aberto.

SC 30. Um homem sentado a sua mesa de trabalho toma notas consultando um livro; sobre a mesa se vê amostras de seixos, quartzo etc., livros e na parede mapas.

ou – Uma serpente com cabeça de dragão.




Deixe seu like e siga nossa Rede Social:
0

MeiodoCeu

material originário do antigo site Meio do Céu - Claudia Araujo, hoje denominado Grupo Meio do Céu - Claudia Araujo e composto por diversos novos colunistas. Essa é uma maneira de preservar o material do antigo site, assim como homenagear aqueles que não mais escrevem no site e/ou não mais estão entre nós nesse plano da existência. Claudia Araujo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *