Conceitos Sistêmicos aplicados à Astrologia I

Conceitos Sistêmicos aplicados à Astrologia I

Quero aqui trazer reflexões sobre como a Astrologia pode incorporar conceitos sistêmicos.

Principalmente os oriundos mais recentemente de Bert Hellinger com seu trabalho original em constelações familiares.

Neste modo de abordagem do sistema familiar, Hellinger entende o sistema como uma entidade viva.

Contudo, que tem seus traumas a serem curados, e também suas regras que permitem coesão e fluidez da energia amorosa, do Eros dentro do sistema familiar e entre os seus membros.

A Astrologia como sistema de saberes tradicionais, milenares, dialoga em todos os séculos como os demais saberes da época. A isso, podemos chamar de espírito da época.

Foi assim tanto entre os Caldeus, quanto Egípcios, Gregos, Romanos, Hebreus, Católicos.

Foi na Idade Média.

Também recentemente com o advento da psicologia de Jung.

Porém, mais recentemente com as diversas formas de conhecimentos terapêuticos e vibracionais.

Quando o conhecimento da ordem do sistema familiar , como apregoa Hellinger, ressoa no campo do saber Astrológico, temos uma nova possibilidade de unir saberes, sem negar ou anular nenhum deles.

Os primeiros passos neste sentido, permitem ao analisar o mapa astrológico de uma pessoa, compreender como na dinâmica dos elementos, algo foi excluído, ou negado.

Sabemos que os elementos, e temperamentos, se referem à características da personalidade que acabam sendo fortemente assumidas. Entretanto, podem ser transformadas e complementadas.

A pergunta que se coloca é porque dentro do sistema familiar, foi necessário privilegiar o pensamento ou a emoção, ou a ação , ou a sensação.

Porque algumas destas tipologias foi negada ou rebaixada.

A pessoa passa a ser considerado como porta-voz do sistema familiar ao qual ele pertence. Analogamente, as boas respostas e soluções irão ressoar em todo o sistema ao qual ela pertence.

No segundo momento, a dinâmica do uso do campo astrológico com a pessoa, através do movimento, da mandala, de objetos; permite que se revele a origem da necessidade de se privilegiar algum dos temperamentos ou elementos para que o sistema pudesse se manter coeso, mesmo com deficiências.

Assim , por exemplo, o elemento Ar preponderante, anuncia a necessidade de se distanciar das dificuldades e dores da realidade concreta , das sensações do elemento Terra. Das demandas do cotidiano, das necessidades constantes do corpo físico e de sua existência.

Melhor então , se manter num nível ideal, no campo das ideias e da representação simbólica da realidade e do seu manejo.

Continua : Conceitos Sistêmicos aplicados à Astrologia II




Deixe seu like e siga nossa Rede Social:
0

Maurice Jacoel

Estudou e se formou em Filosofia pela USP. Dedicou-se por um tempo à fotografia documental. Começou seus estudos de Astrologia, em 1980, na então Escola Júpiter, em São Paulo, e também participou do Curso de Extensão Universitária em Astrologia, da UNESP, ministrado pelo Professor Raul Martinez. Em 1984, começou a trabalhar exclusivamente como astrólogo profissional, através de consultas, assessoria e ensino. Foi criador de um espaço diferenciado de ensino para a astrologia de 1987 a 1992; em São Paulo, chamado Centro de Estudos Girassol. Atuou como professor de Astrologia nas escolas Regulus, Girassol, Delphos, AstroBrasil durante os anos de 1987 a 1998; na cidade de São Paulo; e também em Brasília, inclusive no CENTRE – Centro de Ensino e Treinamento Especializado em Brasília. Atualmente Coordena o Curso de Formação em Astrologia Transpessoal na Unipaz - DF. Foi fundador do SINABRA - Sindicato dos Astrólogos de Brasília, e presidente da CNA, Central Nacional de Astrologia. Formou-se em “Constelações Sistêmicas Familiares e Empresariais”, através do IAG de Munique, Alemanha, e do IBSS de Goiânia. É também professor nos cursos de formação em Constelação Sistêmica Fenomenológica nas cidades de Goiânia, São Paulo, Fortaleza: IBSS - Instituto Brasileiro de Soluções Sistêmicas de Goiânia; CESP - Centro Sistêmico de Psicologia - Fortaleza; CEFATEF- Centro de Formação e Estudos Terapêuticos da Família - SP. Publicações: “A identidade simbólica de Brasília” na coletânea "Brasil Corpo e Alma"- Editora Triom de São Paulo; UNESP - FEPAF, na coletânea "Nas Asas do Efeito Borboleta" artigo: "Constelações Familiares e as Ordens do Amor - Novos Paradigmas"; “A Astrologia na Tradição Hebraica” - CBA nº 18, publicação da Escola GAIA de Astrologia – SP. SKYPE: mauricejacoel / maurice.astroel@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *