Caso da raiva gratuita de Marta

Caso da raiva gratuita de Marta>>

Trago mais um caso em que a regressão de memória levou a pessoa ao entendimento de suas sensações.

Essa moça muito bonita chamada aqui, Marta, me procurou porque alguém disse que talvez eu a pudesse ajudar.

Estava agastada, cansada, irritada. E chegou para sua sessão demonstrando mal humor e sarcasmo.

Logo dizendo que não acreditava em nada disto, mas que porque a pessoa havia insistido muito resolver tentar, só por tentar.

Deixei que falasse tudo estava sentindo, afinal era também um modo de aliviar a carga emocional que a estava sufocando.

 Caso da raiva gratuita de Marta – O novo funcionário

Depois que se acalmou um pouco, perguntei o que a trazia até mim, qual o motivo exato.

Não abordei o fato de ela não acreditar em nada, não era importante no momento.

Ela contou que estava em um trabalho que adorava, há cinco anos.

E que há seis meses um colega pedira demissão por ter encontrado uma oportunidade melhor.

A empresa prontamente admitiu alguém para a vaga aberta.

E era exatamente essa pessoa o motivo de sua ida até mim.

Ela simplesmente não suportava a pessoa, a voz lhe incomodava, a presença lhe causava ódio profundo.

E que esse sentimento foi despertado assim que ouviu o nome do rapaz, mesmo sem tê-lo visto.

 Caso da raiva gratuita de Marta – A camaradagem de Duílio

Duílio era o nome do novo funcionário, muito competente e prestativo. Como se diz nas empresas proativo.

Fazia de tudo para entregar o trabalho antes do dia, e em perfeita ordem.

Marta era a gerente do setor e quem recebia o trabalho de todos.

Duílio estava sempre sorrindo, e lhe trazia café, doces e até um ramalhete de flores no dia do seu aniversário.

Mas ela simplesmente jogou no lixo assim que ele entregou.

Criou um mal-estar muito grande pelo gesto deselegante e desrespeitoso com o rapaz.

Sua situação estava ficando complicada, pois ela não conseguia disfarçar o que sentia.

Os colegas com quem ela sempre se deu bem, começaram a se afastar.

 Caso da raiva gratuita de Marta – A emoção à flor da pele

Expliquei para Marta como era o procedimento do meu trabalho e ela demonstrava desagrado total.

Até que em dado momento lhe perguntei, se queria tentar verificar onde foi que pegou essa bronca de Duílio, ou se preferia continuar maltratando o rapaz.

Ela respondeu com muita raiva que não se importava com ele, que era só um grande idiota.

Então perguntei se ela não desejava sentir alívio novamente, se queria continua com essa dor no peito que lhe sufocava.

Marta me olhou e começou a tremer, depois chorou e tentou dizer que sua emoção não estava relacionada ao colega.

Por fim aceitou que tentaram, mas garantiu que não daria certo.

Tentamos e já nos primeiros momentos seu choro voltou, um choro sentido, profundo, muito dolorido.

Caso da raiva gratuita de Marta – O passado sopra no presente

Continuamos avançando e encontramos Marta como uma senhora casada de aproximadamente trinta e cinco anos, dona de uma beleza ímpar.

Sua condição social era das melhores pois o marido vinha de uma família poderosa na região.

Mas aquela mulher brincava com os homens que não resistiam à sua beleza e poder de sedução.

Em um evento de caridade da pequena cidade onde morava, conheceu o recém-chegado, um funcionário público, modesto.

O moço muito tranquilo, trazia um olhar claro e tão bondoso que parecia inocente.

Ela se insinuou e não teve resposta, ele apenas lhe sorriu e se afastou.

Outras investidas, a senhora tentou e nunca logrou êxito.

Cresceu dentro dela uma paixão doentia pelo rapaz que se viu obrigado a pedir transferência para outra cidade.

Por toda a vida ela carregou a sensação de rejeição e a paixão virou raiva.

A vida acabou e novamente se encontraram.

O conhecimento do que no passado acontecera fez Marta, repensar.

Pediu licença de uma semana e viajou para um lugar distante, relaxou, recompôs sua condição, aliviou seu coração.

Ao voltar voltou outra pessoa, corajosamente pediu perdão à Duílio que sorriu e desta vez não se afastou.

Tudo indica que vai começar uma vida juntos em alguns meses.

 

 

 

Crédito de imagem destacada: https://unsplash.com/photos/y5leFSZV9F0




Deixe seu like e siga nossa Rede Social:
0

Fátima Leite

FÁTIMÁTIMA ESCRITORA E TERAPEUTA HOLÍSTICA. Meu nome é Maria de Fátima Leite, tenho 61 anos e estou envolvida com a espiritualidade desde a juventude, e desde 2007, atuo com terapias holísticas, moro atualmente em Curitiba/PR. O trabalho dentro das terapias holísticas, permitiu desenvolver meu próprio método de atendimento, sendo que meu interesse maior e principal é sobre as memórias, pois descobri que no corpo emocional estão todos os sofrimentos geradores de doenças que em algum momento chegam ao físico da pessoa. Estudo e pesquiso ininterruptamente sobre o ser humano pois tenho comigo que apenas quando houver a compreensão da importância que têm sua evolução diante da cena universal, poderá o homem ser feliz, cumprir sua missão e a missão que se espera dele. Meus contatos: whatsapp: (41) 99126-5837 Email: fatimasan.leite@gmail.com Blog: https://lotusrubyblog.wordpress.com/lotus-ruby-historias/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *