Nossa incansável máquina de projeções

Nossa incansável máquina de projeções

Não existe relacionamento humano em que em alguma medida não façamos projeções. Elas são parte integrante de nossa vida psíquica.
Aquilo que não sabemos ou conhecemos, preenchemos com nossos conteúdos interiores
Estamos sempre projetando, mesmo nas coisas do dia a dia.

Exemplo: Quando ligo para a farmácia, sempre faço meu pedido ao mesmo atendente: O Alberto

O nome dele é Alberto e nunca o vi pessoalmente. Entretanto, tenho uma imagem interna que pode em nada corresponder ao Alberto real. Mas ela existe internamente em mim e foi projetada no Alberto da farmácia.

Durante anos falo ao telefone com o Alberto cuja imagem criei via inconsciente.

Provavelmente, ao conhecê-lo pessoalmente, verei um Alberto que em nada corresponde ao Alberto que criei. Essa imagem é apenas uma projeção minha, e certamente, não corresponde à realidade.

Fazemos isso involuntária e constantemente em relação a todos e a tudo que desconhecemos.

Isso ocorre mesmo com relação à pessoas que conhecemos pessoalmente mas não pertencem ao nosso núcleo de convívio diário. As lacunas que ficam, são sempre preenchidas com conteúdos internos nossos.

Esse é um mecanismo automático da psique e muitas vezes traiçoeiro. Especialmente no que concerne às relações afetivas.

Tanto mais lacunas existem na relação, mais projetamos partes nossas, nós mesmos.

O outro é sempre o terreno fértil de nossas projeções. Através delas acabamos conhecendo um pouco mais a nós mesmos. Contudo, ela pode nos levar a decepções futuras porque nós criamos uma história que é nossa, e nem sempre comum aos dois.

Isso, porque não apenas imagens são projetadas, mas também situações e afetos. Em função disso, podemos nos apaixonar ¨por nós mesmos¨ e imaginarmos situações unilaterais como sendo bilaterais.
Não é raro pessoas dizerem que se desiludiram em relação à alguma pessoa.

Nessa frase já está implícito de que houve algo ilusório, não materialmente real, embora psiquicamente sim.

No momento em que falo que me desiludi, estou declarando que me iludi, ou seja, projetei naquela pessoa ou situação algo que só a mim pertencia.

Existe chance de não fazermos projeções?

Não, isso é algo próprio da natureza humana. No entanto, podemos nos proteger de situações embaraçosas se nos mantivermos sempre atentos ao que ocorre explícita e concretamente e o que colocamos de nosso mundo interno.

É preciso ter sempre foco e atenção para não enveredarmos por imagens e emoções que nos pertencem apenas. Narciso, não se deu conta de que se apaixonou por si mesmo. Teve um trágico fim.




Deixe seu like e siga nossa Rede Social:
0

Claudia Araujo

Aquário com Gêmeos, sou muitas e uma só. Por amar criar com as mãos, sou designer de biojóias e mantenho o site terrabrasillis.com, assim como pinto aquarelas e outras ¨manualidades¨. Por não me entender sem a busca do mundo interno do outro, sou astróloga com 4 anos e meio de formação em psicologia analítica sob a supervisão de José Raimundo Gomes no CBPJ – ISER e já mantive por anos o site Meio do Céu. Nessa nova etapa mantenho o site grupomeiodoceu.com. Dou consultas astrológicas e promovo grupos de estudo de Jung e Astrologia, presenciais e online. São várias vidas vividas numa única existência, mas minha verdadeira história começa aos 36 anos, e o que vivi antes ou minha formação acadêmica anterior, já nem lembro, foi de outra Claudia que se encerrou em 1988. Só sei que uso cotidianamente aquilo em que me tornei, e busco sempre não passar de raspão pelo mapa astrológico do outro. Mergulhar é preciso, e ajudar o outro a se transformar, algo imprescindível. Só o verdadeiro autoconhecimento pode gerar transformação. Não existe mágica, e essa autotransformação não ocorre via profissional, mas apenas através do real interesse do cliente em buscar reconhecer como se manifesta em sua vida cotidiana e qual seu potencial para a transformação. Todos somos mais do que aquilo que vivenciamos. A busca deve passar sempre pelo reconhecimento daquele eu desconhecido que em nós mesmos habita. A Astrologia é um facilitador nessa busca porque nela estão contidos tanto nossos aspectos luz quanto sombra. Ela resolve nossos problemas? A resposta é não. Ela apenas orienta no sentido do reconhecimento de nossa totalidade. A busca é do cliente. A leitura é do astrólogo, mas só o cliente poderá encontrar o caminho de sua totalidade e crescimento responsável. websites : www.terrabrasillis.com e www.grupomeiodoceu.com Fale com Claudia direto no Whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *