ARCANO 13 – A MORTE

ARCANO 13 – A MORTE

“A vida é uma longa morte”

Começo esse texto com essa citação do filme Orfeu de 1950 dirigido por Jean Cocteau.

O filme fala do mito de Orfeu que perdeu sua amada Eurídice para a Morte.

Orfeu louco de amor, foi até o submundo e encantou até mesmo Hades, com sua música fazendo com que o próprio senhor do submundo permitisse a volta de Eurídice.

Porém Hades colocou uma condição para que Orfeu obedecesse, que era a de que jamais olhasse para trás durante sua volta.

Mas, por um momento, ele olhou para se certificar que sua amada ainda estava com ele.
E quando ele olhou, sua amada já tinha voltado então ao mundo dos mortos, e o que ele viu foi seu reflexo espectral e fantasmagórico.

Ou seja, sua poesia não tinha a confiança que todo amor deve ter e onde não existe confiança não há amor, e onde não existe amor, existe a morte, e não tem como você enganá-la.

O Arcano 13 do Tarot é a Morte, o Ceifador, começo meu pequeno projeto oracular tirando essa carta, embaralhei várias vezes, e lá estava ela, a Morte. Não adianta fugir dela, ela está ali, algo deve ser encerrado, e não falo de transformação, falo dos finais de ciclos dolorosos. Se esse meu projeto não der frutos, dentro dessa esfera seca, pelo menos, essa postagem ficará guardada na eternidade.

Nosso corpo pulsa a vida, mas dentro do nosso corpo também pulsa a Morte.

Nossas células morrem o tempo todo, para dar espaço para novas, para que nosso organismo se revista melhorando a sustentação do corpo. Ou seja, morremos todos os dias, de dentro para fora.

Quando o Arcano da Morte surge, ele avisa, que tudo nessa vida tem a morte, o ponto final. Ou seja, tudo tem começo, meio e fim.

E o fim é um processo de luto.

E o que traz a transformação não é a Morte em si, e sim o Luto que ela nos causa.

E esse processo é doloroso, leva tempo e nos fere diariamente.

E em cada ferida, células morrem criando novos tecidos formando belas cicatrizes essa é a marca do Arcano 13

É uma mensagem da Morte que devemos sempre nos cuidar e nos preparar para sua chegada definitiva, e que; sempre devemos nos desvincular de laços que não trazem mais vida e sustento para a nossa alma, assim nos libertando de nossos apegos egoístas.

Porque até mesmo em termos literais, quando o nosso corpo for levado pelo Arcano 13, quando a nossa morte chegar, ainda vamos ter o desafio de viver o luto, mesmo após a morte.

E esse desafio é se desapegar de todas as coisas mundanas que deixaremos para trás, (dinheiro, posses, casa, carro, jóias, roupas, paixões, todo o luxo) e também nossos entes queridos, que devemos deixá-los seguirem em frente, porque a vida continua mesmo depois da morte.

Caso não haja a aceitação da morte, nossa alma fica presa dentro de uma esfera de sofrimento e nos tornamos um espectro assombroso.
A morte é um desapego da matéria, quando a aceitamos, seja literal ou simbólica, evoluímos em outro plano, células novas nascem e nossa alma se sustenta em novas esferas de vida ainda não conhecidas.

Se nem o nosso corpo nos pertence, ele sendo somente um veículo para alma, porque se apegar como um sanguessuga nos prazeres viciosos da carne?

Se essa carta surge pra você como um conselho do dia, ou da semana ou do mês.

Anote em um papel, todas as coisas que não fazem mais sentido na sua vida.

Termine o relacionamento que não tem mais vida. E que não tem mais confiança como ocorreu no caso de Orfeu.

Sacrifique aquele animal de estimação que segundo os veterinários ele não tem mais salvação.

Termine projetos de trabalhos que não trazem reconhecimento e nem lucros.

Termine aquela amizade que em outrora foi verdadeira, mas que agora, só é enfeite no seu mural de amigos.

Corte de sua alimentação, alimentos aparentemente deliciosos, mas que corrompem seu corpo e sua saúde.

Permita-se morrer, mas não para buscar uma “transformação”, mas para evoluir seu estado de Espírito.

Tal processo doloroso que envolve o luto, vivendo o luto, você aceita a morte.

E por fim compreende que diante a esse destino que nos é dado, o mesmo nos mostra dentro de sua esfera terrestre a nossa medíocre finitude.



Deixe seu like e siga nossa Rede Social:
0

Bruno Bernardes

Bruno Bernardes é astrólogo, porém também formado em Web Designer, além de escritor e poeta. Oferece serviços Astrológicos voltados para a leitura de Natividades, Horárias, Eletivas, Previsões, Mundana e Astrologia em geral, tendo atualmente suas técnicas dentro das raízes tradicionais astrológicas. Seus contatos são: e-mail: brunobernardes.astrologia@gmail.com WhatsApp: (19) 99611-8200

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *