kilili Mushriti

kilili Mushriti é um termo que faz referência à Prostituição Sagrada, remontando assim ao matriarcado, à Deusa.

Inanna/Ishtar era conhecida na antiga suméria/Babilônia como a Mãe das Prostitutas, ou ainda, como A Prostituta.

Entretanto, enquanto Prostituta, era chamada de Kilili Mushriti, ou Kilili, a que se inclina para fora.

A Prostituta Sagrada, como encarnação da Deusa, era a responsável tanto pela felicidade sexual quanto pela fertilidade. O feminino estava mais afinado com a Terra, com as deusas doadoras da vida. A vida à elas se subordinava, e à elas pertencia.

Nos afastamos do feminino ctônico, da Vida e da Morte, dos ciclos constantes de vida – morte – renascimento.

Todo nascimento é precedido de uma gestação, e só o feminino gesta. Tanto no mundo vegetal, quanto no animal e no humano.

Me questiono muito se esse afastamento de vida e morte não é o que leva a que tantos temam tanto o signo de Escorpião e não lhe entendam a natureza. Entretanto, isso é tema para um outro artigo, e de outra esfera.

O objetivo aqui não é falar de Astrologia.

Vale transcrever nesse artigo, um pequeno parágrafo do livro A Prostituta Sagrada, de Nancy Qualls-Corbet

“Assim, pois, antes de se casar, cada virgem da Babilônia era iniciada na feminilidade dentro da santidade do templo, sacrificando sua virgindade e experimentando os primeiros frutos de sua sexualidade.

O estranho, que era visto como emissário dos deuses, aproximava-se e atirava três moedas no colo da mulher que ele escolhia, dizendo:

“Que a deusa Mylitta a faça feliz”,

sempre reconhecendo a presença da deidade e a santidade do ato. Ele não pagava à mulher, mas oferecia à deusa por essa lhe permitir tomar parte em seu rito sacrificial.

Tanto o ato do amor como a oferta eram dedicados à deusa e, portanto, tornados santos.

A mulher, então, voltava para casa, normalmente para preparar seu casamento vindouro.

Ela agora havia sido abençoada.

Esse ato não representava para ela nenhuma desonra; ao contrário, era motivo de orgulho para ela. …

Em Tebas, a esposa do alto sacerdote recebia o título de concubina-chefe…

Em alguns casos, mulheres que não desejavam levar vida casta nem se casar, passavam a vida inteira nos recintos do templo. Eram elas as Virgens Vestais, que serviam à deusa grega Héstia ou Vesta, como encarregadas do fogo da lareira.

A lareira era o ônfalo, o centro feminino do universo, o umbigo do templo.

Sua natureza feminina era dedicada a propósito mais elevado, o de trazer o poder fertilizante da deusa para o contato efetivo com as vidas dos seres humanos”

Não deixo nunca de associar esse afastamento do feminino e do mundo matriarcal com o processo de destruição que impomos ao nosso planeta.

A Mãe-Terra, adubo e túmulo,foi rebaixada pelo patriarcado. A sexualidade associada à pornografia. O ato sexual, a algo politicamente correto baixo determinados princípios e regras criadas pelo homem e para o homem.

A resultante disso é o excesso de feminicídios, o desrespeito à mulher, a infelicidade matrimonial, quando a bênção está sobre a cabeça da santa e a mácula e o ¨pecado¨ à prostituta.

A mulher se fundiu em 2 coisas distintas quando na realidade, são partes de um mesmo arquétipo.

A mulher se submeteu e se perdeu de si mesma. O mesmo se deu com a natureza.

E num estranho e sinuoso trajeto, ora andamos para a frente, para a unificação do arquétipo, ora para trás, assolados por ondas de conservadorismo.

Enquanto o ser humano não se afinar com a própria natureza, e a mulher não tomar a si essas duas partes cindidas, não teremos chance de sermos felizes. Quer homens, quer mulheres. Estamos todos interligados por um fio invisível que conecta todo o planeta.

Em decorrência disso, as guerras seguirão, as desigualdades também. Enfim, Gilgamesh não lutou em vão. Conseguiu quebrar a unidade entre os seres e entre os diferentes sexos.

Esse passado arquetípico ou não, precisa ser superado para que as feridas sejam sanadas e possamos almejar nossa própria integralidade. E quando falo nossa, não me refiro nem a homens, nem à mulheres, mas à toda a vida no planeta.

Gosto muito dessa música do gênio Chico. Vale uma reflexão.

Umas e Outras
Chico Buarque

Se uma nunca tem sorriso
É pra melhor se reservar
E diz que espera o paraíso
E a hora de desabafar

A vida é feita de um rosário
Que custa tanto a se acabar
Por isso às vezes ela pára
E senta um pouco pra chorar

Que dia! Nossa, pra que tanta conta
Já perdi a conta de tanto rezar

Se a outra não tem paraíso
Não dá muita importância, não
Pois já forjou o seu sorriso
E fez do mesmo profissão

A vida é sempre aquela dança
Onde não se escolhe o par
Por isso às vezes ela cansa
E senta um pouco pra chorar

Que dia! Puxa, que vida danada
Tem tanta calçada pra se caminhar

Mas toda santa madrugada
Quando uma já sonhou com Deus
E a outra, triste enamorada
Coitada, já deitou com os seus
O acaso faz com que essas duas
Que a sorte sempre separou
Se cruzem pela mesma rua
Olhando-se com a mesma dor

Que dia! Nossa, pra que tanta conta
Já perdi a conta de tanto rezar

Que dia! Puxa, que vida danada
Tem tanta calçada pra se caminhar

Que dia! Cruzes, que vida comprida
Pra que tanta vida pra gente desanimar




Deixe seu like e siga nossa Rede Social:
0

Claudia Araujo

Aquário com Gêmeos, sou muitas e uma só. Por amar criar com as mãos, sou designer de biojóias e mantenho o site terrabrasillis.com, assim como pinto aquarelas e outras ¨manualidades¨. Por não me entender sem a busca do mundo interno do outro, sou astróloga com 4 anos e meio de formação em psicologia analítica sob a supervisão de José Raimundo Gomes no CBPJ – ISER e já mantive por anos o site Meio do Céu. Nessa nova etapa mantenho o site grupomeiodoceu.com. Dou consultas astrológicas e promovo grupos de estudo de Jung e Astrologia, presenciais e online. São várias vidas vividas numa única existência, mas minha verdadeira história começa aos 36 anos, e o que vivi antes ou minha formação acadêmica anterior, já nem lembro, foi de outra Claudia que se encerrou em 1988. Só sei que uso cotidianamente aquilo em que me tornei, e busco sempre não passar de raspão pelo mapa astrológico do outro. Mergulhar é preciso, e ajudar o outro a se transformar, algo imprescindível. Só o verdadeiro autoconhecimento pode gerar transformação. Não existe mágica, e essa autotransformação não ocorre via profissional, mas apenas através do real interesse do cliente em buscar reconhecer como se manifesta em sua vida cotidiana e qual seu potencial para a transformação. Todos somos mais do que aquilo que vivenciamos. A busca deve passar sempre pelo reconhecimento daquele eu desconhecido que em nós mesmos habita. A Astrologia é um facilitador nessa busca porque nela estão contidos tanto nossos aspectos luz quanto sombra. Ela resolve nossos problemas? A resposta é não. Ela apenas orienta no sentido do reconhecimento de nossa totalidade. A busca é do cliente. A leitura é do astrólogo, mas só o cliente poderá encontrar o caminho de sua totalidade e crescimento responsável. websites : www.terrabrasillis.com e www.grupomeiodoceu.com Fale com Claudia direto no Whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *